Memorial homenageia poeta peruano César Vallejo

Sexta-feira, 11 de Abril de 2008, atualizado às 17h06

No dia 14 de abril, às 19h30, o Memorial da América Latina, em conjunto com o Instituto Cervantes, presta uma homenagem ao poeta peruano César Vallejo (1892-1938), que neste ano completa 70 anos de morte. O evento conta com palestras, exibição de vídeo, leituras e musicalização de poemas.

Vallejo é considerado um escritor universal, pois além de propor uma nova linguagem poética, retrata em seus trabalhos a alma e a dor humana - a ruptura formal vem acompanhada pelo desapego do homem em relação ao mundo que o cerca e até de si mesmo.
O poeta nasce em 1892, em Santiago de Chuco, região andina localizada ao norte do Peru. Em 1910, muda-se para Trujillo e ingressa na Faculdade de Letras e Filosofia - oportunidade que lhe proporciona contato com um novo ambiente, cercado de jornalistas, intelectuais, escritores e artistas. Foi neste período de efervescência político-social que Vallejo toma conhecimento das idéias marxistas e da psicanálise. Lança seu primeiro livro "Los Heraldos Negros", em 1919.

Em 1920, ao visitar a família em sua terra natal, envolve-se em conflitos sociais e acaba preso injustamente durante três meses. O episódio tem fundamental importância em sua vida e se reflete de maneira significativa em seu segundo livro, "Trilce" (1922). A obra é considerada fundamental pela renovação da linguagem poética hispano-americana, pois se afasta dos modelos tradicionais que até então eram seguidos, adotando uma linha mais modernista e realizando um angustiante e desconcertante mergulho nos abismos da condição humana.


No ano seguinte, em Paris, participa com amigos como Huidobro, Gerardo Diego, Juan Larrea e Juan Gris de atividades de cunho vanguardista renunciando à sua própria obra "Trilce". Em 1927, aparece firmemente comprometido com o marxismo, escreve artigos para periódicos e revistas, peças teatrais, relatos e ensaios de intenção propagandistas, como "Rússia" em 1931.
Inscrito no Partido Comunista da Espanha (1931), é designado para ser correspondente, acompanha os acontecimentos da Guerra Civil e escreve o seu poema mais político: "España, aparta de mi este cáliz', que aparece em 1939 impresso por soldados do exército republicano. Toda a obra poética produzida durante o período foi publicada parcialmente em diversas revistas, e foi só postumamente reunida sob o título: "Poemas humanos" (1939). Nesta produção é visível seu esforço em superar o vazio e o niilismo que vemos "Trilce" e em incorporar elementos históricos e da realidade concreta (peruana, européia, universal).

Vallejo morreu em Paris, em 1938. Desde então, embora curta, sua obra não cessou de influenciar as letras latino-americanas.

Programa:
19h30: Apresentação - Amalio Pinheiro
19h45: Comentário - Horácio Costa
20h: Vídeos, com Pedro Granados (poeta peruano, estudioso de Vallejo) e Antonio Moura (poeta e tradutor)
20h15: Tradução musical de poemas de César Vallejo, por Rica P.
20h30: Leitura de poemas de César Vallejo por Amalio Pinheiro, Horácio Costa, Coletivo Vaca Amarela e convidados.

Serviço:
César Vellejo
Data: 14 de abril, segunda-feira, às 19h30
Sala dos Espelhos - Auditório Simón Bolívar
Entrada: Portão 12
Estacionamento: portão 15 - R$ 10,00

Memorial da América Latina
Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda (ao lado do metrô)
Entrada franca
Telefone: (11) 3823-4600


Do Memorial da América Latina